Década da Inclusão


Apresentação do Projeto DÉCADA DA INCLUSÃO no MEMORIAL DA INCLUSÃO
Dia 08 de junho de 2019
Nascendo Forte

Pedro:
Não é só o sol que guarda no rosto o dom e o charme de brilhar.
É ser diferente. É fazer o sorriso soar pelo rosto.
É ser mais alegre. É fazer dos segredos os passos sombrios, pausados e desajeitados.
É ser especial, não basta ser homem, crescer a matéria.
Tem que envelhecer, brincando de roda até morrer.
É ser imortal, dar vida ao sonho.
O sonho e a Arte!

Bom dia!
Eu sou o Pedro Rosengarten, tenho 20 anos, sou autista, trabalho na Drogasil há 2 anos e meio, terminei o Ensino Médio no CEEJA Clara Mantelli, faço teatro-musical na Oficina dos Menestréis há 5 anos, dança na Galeria Olido, promovido pelo instituto Olga Kos, e quero fazer Faculdade de Ciências Sociais, para seguir para Antropologia, com especialização em Estudos Africanos, com ênfase em Genética Humana.
Dou palestras sobre Inclusão, Mercado de Trabalho e Acessibilidade com meu pai, ele é o Guto Maia!”

Guto:
“Bom dia, estamos muito honrados de apresentar um projeto inédito: a “DÉCADA DA INCLUSÃO” no Memorial da Inclusão, que é o nosso porto seguro, de onde partimos e sempre voltamos para validar novas caminhadas nesse terreno árido da inclusão. Esse é o nosso terceiro grande projeto a partir do Memorial: o primeiro foi “CIDADES QUE ME DIZEM RESPEITO”, que já visitou 10 cidades e um país; o segundo foi “I PRÊMIO MARCO DA PAZ – INCLUSÃO SEM LIMITES”, no dia Internacional da Pessoa com Deficiência, e já instituído no calendário da cidade em 3 de dezembro, parceria com a Associação Comercial de São Paulo, onde atuo como conselheiro consultivo e curador de Inclusão, no Gabinete Marco da Paz, do Sr. Gaetano Brancati Luigi, grande apoiador do nosso ativismo inclusivo.

Agradecemos imensamente a Elza Ambrósio, Renata e Equipe Técnica do Memorial pelo apoio competente e carinhoso; e à Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência, na pessoa da sua líder, Dra. Célia Leão, por nos permitir estar na sua casa hoje; e a todos os conselheiros e convidados presentes.

JUSTIFICATIVA
Este projeto inédito é a constatação clara e nossa aposta de que estamos entrando na "DÉCADA DA INCLUSÃO" - Os novos Caminhos do Ensino Aprendizagem, onde tudo será oferecido por multimeios e de forma multidisciplinar. Professores, educadores, gestores em geral e empreendedores têm que se conscientizar de que ninguém ensina mais apenas, sem aprender simultaneamente. A internet criou essa via expressa de mão dupla. Quem não aceita vai ficando fora do mercado. Mais do que nunca viveremos a Era do Empreendedorismo Educacional, onde todos aprenderão e ensinarão simultaneamente. O professor será a partir de agora um mediador, um apontador, um curador. A prepotência do "Senhor do Saber", que alguns mestres ostentavam, não existe mais.

GESTAÇÃO E PLANEJAMENTO
O nosso PROJETO DÉCADA DA INCLUSÃO, foi gestado dia após dia, durante os 20 anos de aprendizado diário com o Pedro, meu filho autista, e meus alunos com deficiências. Buscamos a qualificação e certificação dos conteúdos no Memorial da Inclusão, nos preceitos da ONU, e, sobretudo ouvindo e seguindo quem sempre lutou pela causa inclusiva, os ativistas que nos antecederam, muitos desses precursores inclusive estão aqui nessa sala hoje, a quem somos imensamente gratos. Transformamos os nossos defeitos em qualidades graças a eles e entregamos agora da forma mais honesta e sincera possível.

PARCERIAS
Teremos, além da Associação Comercial de São Paulo e do Memorial da Inclusão, o apoio e parcerias de várias entidades nacionais e internacionais já construídas como a Phorte Educacional, Pós-Graduação Estácio, Faculdades FMU, Faculdade de São Caetano, Faculdade Dourado, UNIP, Projeto JEDA Santo André, Oficina dos Menestréis, Instituto Olga Kos, Demian Maia, Drogasil, Clinica de Especialidades Figueiredo & Lima, SAICA Municipal de Taboão da Serra, IBFC Taboão, Unibes, Escola La Rueda Chile, Universidad Politécnica Salesiana del Ecuador, e tantas outras instituições que se incorporarão no decorrer da caminhada. O projeto dará suporte a várias associações de pessoas com deficiências, das quais uma delas tenho especial orgulho de fazer parte da coordenação: o PROJETO AUTISTAS INDEPENDENTES, que representa 40 famílias de autistas adultos e cujas coordenadoras estão também presentes: a Silvia Jansen (geneticista) e Maria Auxiliadora Araújo Silva (psicóloga). Outro instituto ao qual somos ligados é o NEED (Núcleo de Especialização e Estudo das Deficiências), que atende 50 famílias na região de Heliópolis, e muitas outras instituições, corporações, empreendedores e empresários que se associarão ao Projeto nas próximas etapas.

PESQUISA CIENTÍFICA
A nossa proposta na área da pesquisa é criar uma década de incentivo à INICIAÇÃO CIENTÍFICA INCLUSIVA em todas as áreas do Conhecimento, incluindo óbvio pesquisadores com deficiências. O desafio é fomentar uma nova geração de jovens cientistas brasileiros que serão especialistas no Universo Inclusivo nos próximos 10 anos. Isso ajudará nos diagnósticos rápidos e literatura de apoio confiável. Simultaneamente, vamos prospectar, capacitar, qualificar e credenciar novos multiplicadores: palestrantes, ministrantes de cursos profissionalizantes para pessoas com deficiências e seus familiares. A empregabilidade estará permanentemente na pauta, repercutindo inclusive tudo o que se discutirá hoje, dia 8 de junho de 2019, nos painéis da mesa seguinte que será composta por palestrantes que vão falar sobre empreendedorismo, nesse evento organizado pelo Conselho Municipal da Pessoa com Deficiência.

PALESTRAS, CURSOS PROFISSIONALIZANTES
Nossa meta é também criar cursos em nível superior adaptados às pessoas com deficiência, pós-graduações, etc, onde os professores serão inclusivos.
E aprofundar as discussões sobre saúde, direitos, emprego, políticas públicas, estudo e moradia digna para pessoas com deficiências jovens adultos e idosos, e seus familiares.

LANÇAMENTO NACIONAL DOCUMENTÁRIO
Hoje, com muita alegria, numa parceria com a Inima Produções, para marcar essa data importante, apresentamos o primeiro produto dessa caminhada: faremos o Lançamento Nacional de “SINGULARIDADES – UM OLHAR SOBRE O AUTISMO”, um documentário sobre quatro famílias de autistas, criado por dois jovens diretores mineiros Gabriela Bandeira e Humberto Luiz.
Teremos o prazer e a honra de tê-los conosco para uma conversa depois da sessão. Aliás, serão duas sessões, por causa da quantidade de inscrições que tivemos. O filme tem lançamento numa coprodução da GM Educacional e Inima Produções, liderada pelo ator e diretor, Deivid Miranda.

Teremos sessões: 14:00 e 15:30.

E, aguardem a divulgação dos próximos eventos dentro da DÉCADA DA INCLUSÃO.

E fica desde já marcado - anotem nas agendas, por gentileza, o nosso próximo encontro de todos nós nesse auditório, para o dia 8 de junho de 2029, onde cada um de nós trará as suas produções científicas criadas em 10 anos em prol da Inclusão, e que serão apresentadas em painéis de prestação de contas.

SOBRE O MEMORIAL DA INCLUSÃO – OS CAMINHOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA
http://bit.ly/2K2UgoJ

Grande abraço a todos e muito obrigado.
Guto Maia (Curadoria do PROJETO DÉCADA DA INCLUSÃO)

TAGS
#nascendoforte #décadadainclusão #mãesinclusivas #educaçãoinclusiva#dilemas #universodainclusão #minicursos #palestras #simpósios#empregabilidade #empreendedorismo #projetoinédito #escolacondomínio#iniciaçãocientífica #acessibilidade #deficiências #memorialdainclusão#acsp #phorteeducacional #gmeducacional #autistasindependentes#confiança #amor #euteamo #autoestima #need#prêmiomarcodapazinclusãosemlimites #cidadesquemedizemrespeito#futuroinclusivo #novasterminologias #dignidade


GIF: Nascendo Forte
#pracegover: Filhote de elefante correndo na beira da praia


FOTO
#pracegover: Foto do prédio arredondado de vidros negros do Memorial da Inclusão – SP
Obra do arquiteto Oscar Niemeyer, http://bit.ly/2Io4BIA, 1991; No alto da imagem, à esquerda lê-se: “DÉCADA DA INCLUSÃO”, abaixo, do lado esquerdo, logomarca com circulo sobre forma quadrada, dividida ao meio pelas cores azul e branco. No círculo, as letras de “GM Educacional”, com subtítulo “Soluções Universo Inclusivo”; Na parte direita da imagem uma faixa branca vertical, onde lê-se no alto “08 JUN 19” e na parte baixa 08 JUN 29. No centro, a logomarca com uma borboleta com dois traços em semicírculos à esquerda, nas cores em tom pastel: lilás, azul e laranja, onde lê-se: “MEMORIAL DA INCLUSÃO – Os caminhos da pessoa com deficiência”.

Palestra: Dilemas da Educação Inclusiva, com Prof. Guto Maia


Inscrições no link: https://bit.ly/2v3ewgd 
Palestra com Prof. Guto Maia
Participação Especial: Pedro Rosengarten Baptista e Convidados.
Pós-Graduação da Estácio - Unidade Bela Vista
Rua Treze de Maio, 681

Dia 04 de maio, sábado, das 10 às 12 horas
É gratuito.

Inscrições no link: https://bit.ly/2v3ewgd 

A teoria das três malas
Todo ser humano carrega TRÊS MALAS IMAGINÁRIAS:
POSSIBILIDADES, EMOÇÕES e SOLUÇÕES.
Essas três malas CONTÉM tudo o que usaremos na viagem da VIDA.
A cada momento somos exigidos a usar uma delas ou mais.
Quanto mais conteúdo armazenado em cada uma delas, mais saberemos enfrentar os PROBLEMAS, CONFLITOS E DILEMAS.
PROBLEMAS são trazidos de fora pra dentro.
CONFLITOS são relacionais internos e externos.
DILEMAS são levados de dentro pra fora.
Essas três malas são o nosso TESOURO INEXPUGNÁVEL.
Não podem ser roubadas, pois cada um as tem dentro de si.

"Que as minhas palavras sejam justas com os justos, resistam à hipocrisia dos hipócritas, sejam divertidas e honestas para as crianças; confiáveis para os adultos e sóbrias para os sábios. Mas, cordiais com quem quer que seja, sobretudo.
Sou professor."
Guto Maia





Conversa com Bial, Autismo, Cidades que me dizem respeito





O programa CONVERSA COM BIAL, gravado em 18/04/2018, foi um grande exemplo de dedicação da produção no trabalho de bem informar sobre o AUTISMO. Ficamos muito honrados de estar presentes nesse momento de aperfeiçoamento das relações sociais que respeitam com qualidade as pessoas com deficiências.
Parabéns a toda Equipe Bial e abraços.
Guto Maia e Pedro Rosengarten BaptistaRossana Rosengarten
Entre os convidados estavam a psiquiatra infantil Raquel del Monde, o jornalista Luiz Fernando Vianna e a autista Amanda Paschoal, participante do Encontro de Gerações.
Para assistir ao programa acesse: https://bit.ly/2HSgSU3
Fotos: Higor Gargiulo e Márcia Gaupern
Álbum: https://bit.ly/2Hddx1K
E quem quiser continuar nos acompanhando na jornada de construção pública e coletiva do projeto CIDADES QUE ME DIZEM RESPEITO - Vamos conversar sobre inclusão?, acesse www.doisdobrasil.com, e participe desse processo.
É um trabalho em movimento onde todos os olhares são bem-vindos. Queremos conversar cada vez mais sobre todos os temas que envolvam DIVERSIDADE, DEFICIÊNCIAS & TECNOLOGIA.
Nossos princípios se alinham a tudo que há de mais atualizado no que diz respeito à melhoria social da pessoa com deficiência.
NADA DE NÓS SEM NÓS: Consulte indivíduos inclusivos, familiares, especialistas, terminologias, entidades representativas, empresas e instituições comprometidas com a Inclusão para aperfeiçoarmos o senso comum com honestidade, sem ilusões ou dissimulações. O projeto CIDADES QUE ME DIZEM RESPEITO - Vamos conversar sobre inclusão?, está sendo elaborado publica e coletivamente, a partir do Encontro de Gerações / 2017, alinhado aos princípios da Agenda 2030 do Plano de Ação das Américas, das Nações Unidas, promovido pela Secretaria Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência e a Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência de São Paulo, essa última representada pelo Memorial da Inclusão, em parceria com o Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) e a Defensoria Pública do Estado de São Paulo, além de empresas e instituições que trabalham na afirmação dos direitos das pessoas com deficiência.
#cidadesquemedizemrespeito #inclusãosemlimites #pedrobial #pedrorosengartenbaptista #gutomaia #rossanarosengarten #autismo #deficiências

UM DIA DE LUZ PARA OS PORTADORES DE PRECONCEITO

(Obs: Pedindo licença ao Espaço Psicopedagógico da Profa. Claudia Taveira, para uma postagem em Homenagem ao Dia Internacional da Pessoa com Deficiência. Gratos. Att. Pedro & Guto)


UM DIA DE LUZ PARA OS PORTADORES DE PRECONCEITO
(Homenagem ao Dia Internacional da Pessoa com Deficiência – 3 de dezembro)

Por 
Guto Maia
Essas foram as melhores férias da vida do Pedro, e aconteceram da forma que ele mais ama: viajando, estudando, pesquisando, falando muito, namorando e fazendo amigos!!!
Alguém acreditaria que isso seria possível há alguns anos?
E o melhor, férias remuneradas.
Olha como se deu o processo de preparação dessas férias que aconteceram em novembro, quando ele completou um ano de trabalho, num projeto de emprego apoiado:
Histórico:
1. Agosto - participação no seminário de credenciamento de formadores palestrantes no Memorial da Inclusão;
2. Setembro: Inscrição no Supletivo ensino Médio do CEEJA Clara Mantelli;
3. Outubro - convite para o "Encontro de Gerações", Quatro dias de debates, palestras e atividades eco-esportivas radicais na cidade de Socorro, no hotel-fazenda Parque dos Sonhos;
4. Primeira Palestra - lançamento do projeto "Cidades que me dizem respeito", no Instituto Passadori, São Paulo;
5. Novembro - viagem a Ubatuba e Caraguatatuba, para Segunda Palestra, para pais da APAE Ubatuba;
6. Terceira Palestra: Câmara Municipal de Ubatuba;
7. Visita à Secretaria Municipal das Pessoas com Deficiência, de Caraguatatuba;
8. Quarta Palestra - Uniceu Inácio Monteiro (Centro Universitário São Camilo);
9. Viagem a Santos e Quinta Palestra para professores APAE-Santos;
10. Volta ao trabalho em 1° de dezembro. Homenageado como o melhor vendedor de revistas de projeto social da loja Dona Veridiana, da Drogasil (só nesse dia de volta ao trabalho, ele vendeu 10 revistas para clientes em 4 horas de trabalho!).
11. Resumindo: cinco palestras, três viagens, excelentes notas no supletivo, credenciamentos relevantes, participação em 3 seminários: 
Memorial da Inclusão, Macksoud Plaza e ECA-USP), muita alegria e muitos novos amigos. Essa é a fotografia de um trimestre na vida de uma pessoa com deficiência. 14,5% da população de cidadãos do Brasil têm esse potencial. Esse é o percentual de pessoas com deficiência. Só lhes faltam as oportunidades de mostrarem de que forma podem ter a mesma felicidade de realização, dentro dos seus limites e capacidades.
Isso tudo, acima de qualquer vaidade de pais, indica o quanto um "indivíduo" PCD é "coletivo". A quantidade de pessoas envolvidas em processos como esses, além do pai e da mãe é incalculável. E, quando isso acontece, a sociedade ganha como um todo. Todos são responsáveis por essa realização. Jamais um pai ou uma mãe, ou avós, conseguiriam fazer isso sozinhos. Um batalhão de especialistas, familiares, amigos, simpatizantes, etc, é envolvido. Mas, jamais os outros fariam isso tudo plenamente no lugar da família. Quando todos utopicamente nos considerarmos uma única família humana, verdadeiramente poderemos ser felizes em saber que os nossos filhos serão "para" o mundo, e poderemos morrer realizados, sabendo que os nossos filhos continuarão num AMBIENTE SEGURO.
Todo PCD (pessoa com deficiência) se tornará invariavelmente um PAH (pessoa com altas habilidades). Isso se dará, pois a vida é mais forte e tende florescer, e só o fato de manter-se vivo, mesmo quando tudo é desfavorável traz compensações inimagináveis. Isso faz desse indivíduo alguém altamente diferenciado em aspectos geralmente não evidenciados, camuflados pela deficiência. Se junta a isso o preconceito social e familiar contra o incomum e a pessoa é formatada como incapaz, sem forças para reagir. Aí, se extingue um potencial grandioso e quem perde é a sociedade.
Por isso, os PCDs são “indivíduos coletivos”, pois “todos” somos responsáveis por eles. A alegria da realização de um "indivíduo coletivo" é de todos. Um PCD tem a cara de todos que o cercam.
A gratidão de uma família que se empenha para a alegria diária de um PCD é universal quando isso acontece, pois jamais alguém conseguirá cuidar sozinho dele, portanto essas criaturas são seres agregadores.
Quem quiser acompanhar de perto, o cotidiano da história do Pedro, acesse: 
www.doisdobrasil.com. Uma história pública e coletiva que é de todos os “pedros”, pois num ambiente público os portadores de preconceito podem acessar informações de várias correntes de pensamento e formarem firmemente suas convicções e juízos, e na boa hipótese, melhorarem o seu poder de aceitação. Somos todos muito parecidos nas nossas necessidades básicas quando buscamos ser felizes. Só que alguns precisam de mais coisas que os outros para que isso aconteça, alguns são mais ambiciosos, e a maioria precisa de muito pouco. Não há logica na felicidade. O "modelo" de "ser feliz" vem de fora, mas o processo se dá dentro.
A melhor lição que pudemos tirar desse processo que deu certo, é que absolutamente tudo que fizermos com sinceridade terá sucesso.
A sinceridade é agregadora em si. A sinceridade é honesta em si.
Um feliz dia mundial para os portadores de sinceridade!Parabéns Pedro pelo seu dia! Você merece.
(Texto em homenagem ao Dia Internacional da Pessoa com Deficiência - 3 de dezembro, que busca a emoção do pai, a sabedoria do professor e a objetividade do universo corporativo)
Observação: o termo "portador de deficiência" está em desuso, pois quem "porta algo" transporta, “carrega o que pode ser descartado”, e no caso do PCD ele "possui" a deficiência.
São detalhes semânticos que os ativistas em favor das causas das pessoas com deficiências vêm reforçando para tornarem o preconceito cada vez menor.

Guto Maia é professor multidisciplinar de alunos PCD’s, pesquisador de educação inclusiva há cerca de 20 anos, ativista do aperfeiçoamento dos protocolos da inserção de inclusivos no Mercado de Trabalho; pai de quatro filhos, sendo o mais jovem autista;  filho de mãe que esteve cadeirante por 13 anos; conselheiro eleito 17/18 do CER-Sé SP, ligado ao SUS, da PMSP; coordenador do Depto. de Música do NEED (Núcleo de Especialização e Estudo para o Deficiente Físico e Mental); foi professor de adultos PCD’s, na Extensão Comunitária da UNIP Vergueiro; professor de Jovens Aprendizes do IBFC (Instituto Brasileiro de Formação e Capacitação); diretor teatral, músico, compositor, autor, ator de teatro e cinema. Cursou Pedagogia, Música, Ética, Teatro, Artes, Literatura, Adm. Empresas e Educação Inclusiva.  É certificado em Comunicação Verbal pelo Instituto Passadori. Em agosto, participou do Seminário de Formadores de Palestrantes Credenciados do Museu da Inclusão, da Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência, do Governo do Estado de São Paulo. Também participou do "Encontro de Gerações", coordenado pela jornalista Flávia Cintra, de 15 a 18 de outubro, na cidade de Socorro/SP, evento de debates para a preparação coletiva do primeiro documento da Agenda 2030 do Plano de Ação das Américas, das Nações Unidas.  
Referências: Revista D+: 
http://revistadmais.com.br/arte-musica-e-acao/. Depoimentos de alunos e colegas do prof. Maia: https://goo.gl/HE9WTs

03 dez 2017


#pcd #pah #inclusao #deficiencia #cidadesquemedizemrespeito #gutomaia #pedrorosengartenbaptista #sinceridade #naopreconceito #dignidade #trabalho #universopcd

A organização do tempo do estudante


O sucesso acadêmico e o bom desenvolvimento socioemocional dos estudantes dependem de vários fatores, entre eles a organização de seu tempo.

Sabe-se das consequências negativas da desorganização do local de estudo , mas a o do tempo também tem muita relevância.

Quando o aprendente tem consciência de seu tempo e se programa para o melhor aproveitamento do mesmo, sabendo quais as atividades tem a fazer e determina sua rotina, seu envolvimento com a realização das atividades é maior.

Havendo essa prática, também é facilitado ao estudante a prática de estratégias e técnicas de estudos eficazes.

O saber aprender é um processo que conduzido com as práticas citadas favorecerá o alcance de bons resultados e a aprendizagem significativa.

Obrigada.
a todos

A importância de metas no desempenho escolar


A motivação é essencial ao desenvolvimento e à realização de projetos pessoais, pois favorece a manutenção do empenho necessário, mesmo quando as dificuldades se apresentam. 

No processo de aprendizagem, podendo também ser denominado de procedimentos do saber aprender, a determinação de metas também é de grande utilidade. 

Isso ocorre, quando o enfoque é dado como algo que foi estabelecido pelo aprendente e lhe servirá como um orientador, um destino a se chegar. 

Essa maneira de ver, mobilizará o indivíduo a elaborar planejamentos, considerando, antecipadamente, possíveis dificuldades e assim, já buscará estratégias que utilizará para superá-las. 

Também é válido afirmar que o estabelecimento e cumprimento de metas, além da motivação que proporciona aos sujeitos, está vinculado a uma recompensa que esse terá para seu empenho pessoal, que pode estar combinado a algum prêmio por ele estabelecido. 

Havendo objetivos, o estudante reduzirá possível comportamento procrastinador, cumprindo, sem atropelos, prazos para entrega de trabalhos solicitados pelos professores, facilitando a formação de hábitos de estudo. 

Pode-se considerar, também, que haverá elevação da autoestima e autoconfiança, pois o indivíduo reconhecerá sua capacidade de realização. 

Assim sendo, as metas são excelentes aliadas para o alcance de sucesso e prazer ao aprender. 

Claudia Cordeiro Pereira M Taveira 
Pedagoga, psicopedagoga e mediadora do 
Programa de Enriquecimento Instrumental nível 1